A VIDA É UMA COXINHA

quarta-feira, agosto 27, 2014 12 Comments A+ a-



Antes de reclamar da vida, é preciso saber como apreciá-la.
É uma obrigação ter conhecimento da maneira correta de saboreá-la. 

Mas aí alguns te param na rua enquanto você atravessa fora da faixa e lhe perguntam: Mas o que é a vida?

A vida é uma coxinha. 


Crocante por fora, recheada de amor, frango e catupiry por dentro. Sentimentos com alto nível de carboidrato.

Todo mundo sabe que essa é a representação mais fiel da vida e todo mundo também sabe que é possível encontrá-la em quase todos os bons lugares estratégicos do mundo.
Mas o que algumas pessoas fazem com a vida quando estão diante dela?

Elas desvirtuam o mito. Elas tem a pura e deliciosa existência diante dos olhos mas não conseguem viver a experiência apoteótica dela.


A vida é uma coxinha. 


Não a culpe se você começa a comê-la pela base. Não a culpe se você pede garfo e faca para abrí-la ao meio sem piedade e muito menos noção de gastronomia de boteco.


Tudo o que aconteceu de errado na sua vida está totalmente relacionado aos anos que você ignorou degustá-la pelo bico.


Esse é o procedimento dos deuses mitológicos. Dos reis valorosos. Dos líderes históricos.


A coxinha começa pelo bico. É o beijo, o início da química, a aurora vital da humanidade.

Nunca comece nada pelo final. Comece pelo bico.

Imagem: Marco Spawn

O QUE ACONTECE QUANDO VOCÊ ENCONTRA O AMOR NO SUPERMERCADO

quinta-feira, agosto 07, 2014 10 Comments A+ a-



Abri um pacote de felicidade fora do prazo de validade. Foram horas na fila dos sentimentos em edição especial até chegar na última unidade do seu produto. Fiquei o dia todo naquele supermercado de emoções admirando suas propriedades nutricionais e abusando das quantidades necessárias por dia de todos os gramas e ml’s.


Dos pecados capitais, sempre fui avesso à gula. Mas diante da sua embalagem, tudo não é o suficiente.

Tão inédito quanto um doce que não enjoa, suas porções estimularam meu organismo sendo capazes de curar doenças que nunca tive.
E como não comprar sua voz nevando açúcar no setor de sobremesas da melhor parte da minha vida?

A falência flerta comigo a cada aquisição de suas marcas. Enchi carrinhos e os olhos, sem perceber.

Sem perceber também, estava levando desordem à sua despensa. Bagunçando sua meticulosa organização, colocando quadros de caos em todas as paredes.

Mas se você gosta mesmo de ficar sem os pés no chão, alguém precisava colocar todas as coisas no ar.

Meu único receio é ter te levado tão alto a ponto de não poder mais te alcançar. Entretanto, talvez para entrar na parte secreta do seu coração eu precise entrar em órbita.

Houston, I love this problem.

Imagem: Not Jane Doe