IMUTÁVEL

quarta-feira, junho 16, 2010 11 Comments A+ a-



O meu presente divino, que curou minhas cicatrizes, me ensinou a ver as horas, reconstruiu as minhas asas, amarrou meus sapatos e me fez acreditar que cada segundo tem seu valor peculiar, continua a respirar meus ares estranhos. 
Se existisse um número exato do infinito, eu passaria a eternidade escrevendo em seu nome. E não chegaria perto do seu total valor e beleza.

Por anos, as cartas de amor eram pra você.
Eu não podia desenhar seu rosto e outros olhos as leram. Mas, de uma forma inexplicável, todas aquelas palavras só tinham o seu destino. Nenhuma figura de linguagem lhe pode ser atribuída.
O que hoje nos honra e nos faz respirar o mesmo ar?
A enciclopédia das definições não tem esse verbete. E isso também não poderia ser escrito. Uma reprodução sua para as civilizações futuras não existiria.
Não existem palavras suficientes, nem imagens, nem sons, nem nada.
E naquelas madrugadas em que procurei bater o recorde de lágrimas derrubadas, eu reguei involuntariamente o seu jardim.
Enquanto eu assassinava as donzelas fraudulentas, sua silhueta ia pintando o quadro da minha vida.
Mas isso não se percebe. O coração continua batendo, os sinos dobram, as nuvens dissipam. 
O vencedor que adormece dentro de mim parece ter um sono pesado demais. Será que está respirando? Será que está vivo? Será que está lá?
Essas interrogações são tão sinceras.
E ninguém além de mim deveria fazer idéia das respostas. 

Eu tenho um anjo ao meu lado. Um anjo personificado. Um anjo que sabe me amar quando preciso e me ferir quando mereço. 
Eu teria que pavimentar a estrada por onde ele passa. Não se trata de adoração, nem de gratidão. O amor não pode ser grato. O amor não pode ter pena. O amor não pode ser fabricado. O amor não pode ser fantasiado. 
Do que se trata então? Eu não sei. 

Tudo o que é indescritível merece respeito. 

E a aurora que envolve minha alma é sua.

Imagem: Jeronimo Contreras

Redator publicitário, baterista, compositor e escritor - flertando perigosamente com o roteiro. Reflete sobre cultura, pedaços de mainstream e as maravilhas ocultas em pequenas situações do cotidiano.

11 comentários

Write comentários
Camila Paier
AUTHOR
16 de junho de 2010 14:17 delete

Que lindo, que lindo..Acho super bonito quem ainda restaura esse romance, quem aviva sentimentos tão bonitos! E tu escreve muito bem, com o coração..Outra diferencial!
Beijoca guri

Reply
avatar
16 de junho de 2010 19:20 delete

"O vencedor que adormece dentro de mim parece ter um sono pesado demais. Será que está respirando? Será que está vivo? Será que está lá?"

Tem dias que fica difícil acreditar em nós mesmos, né? Mas força e fé sempre, em tudo.

Reply
avatar
Monnie
AUTHOR
16 de junho de 2010 22:20 delete

"O amor não pode ser grato. O amor não pode ter pena. O amor não pode ser fabricado. O amor não pode ser fantasiado." lindo isso *--*
amei seu blog, seguindoo ;*

Reply
avatar
Julia Melo
AUTHOR
17 de junho de 2010 11:25 delete

a minha mutação é voce.

http://compartilhandonostalgia.blogspot.com/search/label/104

Reply
avatar
17 de junho de 2010 13:02 delete

'E a aurora que envolve minha alma é sua. '


=~~

Reply
avatar
Filipe Costa
AUTHOR
17 de junho de 2010 14:30 delete

Parabens pelo blog.Gostei daqui.E do texto.Muito bom.
Um abraçoooo!

Reply
avatar
Tay
AUTHOR
17 de junho de 2010 16:16 delete

Muito bonito, é tão envolvente e interessante, são belas palavras, muito bem escolhidas.
Parabéns.

Reply
avatar
Grafite
AUTHOR
17 de junho de 2010 17:48 delete

Perfeita a troca de palavras, adorei!

"O amor não pode ser fabricado. O amor não pode ser fantasiado".

beiijo,
*.*

Reply
avatar
#Hunters
AUTHOR
17 de junho de 2010 20:09 delete

adoro *-*

bjs, Gaby Alegre

www.tdyhunters.blogspot.com

Reply
avatar
JoycErick
AUTHOR
18 de junho de 2010 12:27 delete

amei teu blog tô seguindo abraços

Reply
avatar
Ana Carolina Vingert / ACV
AUTHOR
25 de junho de 2010 10:59 delete

será mesmo?
o que serve pra todo mundo. não serve pra mim!.

Reply
avatar

Divague, opine, discuta. Coloque sua inspiração no 220v. Toda essa transpiração criativa é o combustível da minha respiração.